Tudo que precisas saber para criares o teu Website

Ultrapassando resistências e simplificando conceitos.

O teu Website é a parte mais importantes do teu posicionamento digital. Hoje em dia, a tua credibilidade no mercado normalmente está associada a teres um (bom) website.

Tecnicamente, um site é conjunto de páginas da web organizadas e localizadas em um servidor na internet. Metaforicamente, um site é a tua casa digital. Tal como a tua casa, é a referência principal e o reflexo direto da tua Marca, onde você reúne e disponibiliza toda a informação relevante sobre ti, o teu propósito e os teus produtos/serviços.

As vantagens de ter um website são óbvias, mas vale sempre relembrar: em primeiro lugar o teu site é teu. É garantidamente o teu próprio espaço na internet. Ao ter um website não estarás sujeito aos servidores e algoritmos das redes socias ou de quaisquer outras plataformas.

Ademais, o teu site tem um impacto direto na sua visibilidade online, permitindo que muito mais pessoas conheçam você e o seu trabalho, aumenta exponencialmente o seu nível de credibilidade com uma apresentação formal e profissional e melhora e acelera a comunicação com o teu potencial cliente, poupando-te imenso tempo a expor a tua proposta de valor, os serviços que ofereces e a forma como trabalhas.

Os maiores mitos sobre a criação de websites

Muitos artistas e freelancers criativos preferem manter-se apenas nas redes sociais por acreditar que:

  • criar um site é muito complicado, ou muito dispendioso;
  • contratar um profissional para fazer um website é extremamente caro;
  • para manter um site é preciso despender muito tempo de manutenção.

É natural, afinal, com tantos conceitos e processos associados à criação de um site, a pesquisa sobre o tema na internet pode não ajudar muito a clarificar sobre este processo.

O propósito deste artigo é fornecer uma visão geral sobre o processo de criação de sites para facilitar a tua pesquisa e uma eventual contratação.

Então, vamos lá.

O que precisas saber antes de criares o teu primeiro website?

1. Alojamento e Domínio

O Alojamento é o teu próprio espaço na web. É importante que o seu espaço esteja alojado em um servidor de uma empresa competente e de confiança, pois este influenciará diretamente a estabilidade e a rapidez do seu site.

A otimização da velocidade de abertura do seu website começa aqui – lembre-se: se a sua homepage demorar mais de 3 segundos para abrir, as chances do visitante desistir de navegar são muito altas.

As empresas de alojamento normalmente são as mesmas empresas que vendem os domínios e poderá adquirir tanto um como outro na mesma compra.

As empresas de alojamento nacionais serão sempre as melhores, pois funcionam com a tua língua materna, e, portanto, o acesso ao suporte será muito mais simples, e estarão adaptadas às necessidades do mercado nacional, oferecendo, assim, soluções muito mais personalizadas e acessíveis. As minhas empresas preferidas em Portugal são:

  • amen.pt, com planos bastante acessíveis para websites muito simples.
  • webhs.pt, uma ótima opção custo benefício.
  • domínios.pt, comunicação simples e atendimento de suporte muito eficaz.

No Brasil, apenas tenho experiência com a Hostgator, por sinal, uma ótima experiência, por isso, deixo também este artigo para tua pesquisa.

Contudo, se o seu site recebe milhares de visitas por dia e precisa de uma solução alargada a nível de velocidade, espaço e segurança, procurar um servidor internacional com suporte imediato 24h é uma escolha sensata. A minha empresa de eleição é, sem sombra de dúvida, a Siteground, é uma das melhores no mercado em termos de qualidade do serviço e apoio técnico, cumpre tudo o que promete.

Descobri a Siteground da pior forma possível, investi quase 100 euros para ter um domínio e alojamento para a minha primeira tentativa de um criar um Blog de lifestyle que não avançou mais do que alguns meses. Em servidores nacionais, pode-se conseguir o mesmo por 1/5 do valor. Podemos sempre começar pequeno e fazer upgrades à medida que precisamos – o processo é muito simples.

2. As 2 formas principais de criar um website

Foi-se o tempo em que para criar um website era preciso ser um expert em programação. Atualmente, criar um site pode ser muito simples.

Há duas formas principais de criar um website:

a) Sites feitos de raiz

Estes são os sites que são construídos com programação. Aqui criam-se todas as páginas e todos os elementos a partir de códigos. São necessários conhecimentos de HTML, CSS, Java, etc.

São ótimas soluções para: subsites em servidores com grande nível de segurança (por exemplo, universitários), para websites muito simples que não requerem grande manutenção, e para website grandes e que requerem uma solução altamente personalizada.

b) A partir de um sistema CMS

Um CMS – Content Management System é um sistema de gerenciamento de conteúdo, isto é, uma ferramenta que ajuda-nos a criar e a gerir websites facilmente sem conhecimento técnico especializado.

Os sites feitos em CMS, segundo a websitesetup.org são tão comuns atualmente que representam mais da metade dos websites. Eis algumas das plataformas mais comuns no mercado:

A plataforma ideal para ti irá variar conforme o teu nível de conhecimento técnico, o objetivo do teu site, o volume e tipo de informação que o mesmo irá conter e, claro, o valor que estás disposto a despender.

3. Tipos de site

Criadas as bases para construir o teu website, é hora de pensar na sua estrutura. Existem vários tipos de websites. Ter noção delas irá certamente ajudar a clarear as suas ideias e ajudar a afunilar a tua pesquisa e criação.

Institucional:  são sites ideais para apresentar uma empresa/marca. Conferem autoridade, profissionalismo e mostram de forma completa a proposta de valor e a oferta de serviços em vigor. Pode incluir um Blog.

One page: uma opção versátil e minimalista que apresenta todo o seu conteúdo e serviços em apenas uma página. Ótima opção sobretudo para um público-alvo jovem e que consome conteúdo rápido e mobile.

Portfolio: estes normalmente são websites simples, com pouco texto e foco no trabalho já realizado. Ideal para artistas visuais e fotógrafos.

Blog: muito utilizado por autores, profissionais de comunicação e para quem aposta forte no marketing de conteúdo.

E-commerce: as famosas lojas virtuais têm uma estrutura ligeiramente mais complexa, precisam de um nível de segurança maior do que o convencional e uma estrutura estratégica que gere confiança e empatia elevados e leve até a compra dos produtos.

Landing page: uma landing page é basicamente uma página de vendas focada num único produto ou serviço. Existe uma estratégica específica para este tipo de páginas, que podem ser utilizadas isoladamente (constituindo o próprio site) ou fazer parte de um site.

4. Tráfego

Uma vez criado o site, precisamos falar de tráfego. Um site sozinho pairando na internet não faz milagres, não basta o seu website existir, ele tem que ser notado.

Há 3 fatores principais que vão determinar o tráfego do seu site:

. Conteúdo otimizado para SEO (Search Engine Optimization)

Todo o conteúdo escrito do seu website é escaneado pelo Google e ajuda no seu posicionamento – tanto o próprio conteúdo escrito das páginas como o conteúdo de um Blog. Para uma escrita otimizada para SEO é preciso ter em conta o teu público-alvo, a definição de palavras-chave conforme as tendências do google (sem perder a essência e a espontaneidade da comunicação da tua marca).

. Anúncios pagos

Os anúncios pagos também são uma boa opção para gerar tráfego para o teu site. Os tipos de anúncios mais comuns são o: google Ads e os anúncios em redes sociais. A criação e otimização destes dependerá das características e localização do seu público-alvo e do seu objetivo. Os anúncios pagos são recomendados quando tens um público-alvo e uma a estratégia muito bem definidos.

. Tráfego Orgânico

Tráfego orgânico refere-se a todas as visita do teu site que vem direcionadas através do teu networking presencial, recomendações, das tuas redes sociais, dos emails que trocas (veja como criar assinaturas de email cativantes aqui) , das campanhas de email marketing que realizas, ou de links para o teu site existentes em outros sites.

5. Conversão

De que adianta ter muitas visitas se o teu site é um beco sem saída? A conversão é extremamente importante.

Converter significa fidelizar ou transformar o simples visitante em cliente. Existem técnicas para trabalhar este ponto e vamos explorá-las a seguir.

Um site que converte:

  • A escrita e o design do seu site são direcionados para o perfil do seu cliente ideal;
  • É possível identificar o que você faz imediatamente;
  • Mostra claramente a sua proposta de valor;
  • Tem uma estratégia para que o visitante realize uma ação específica;
  • Captura o email dos potenciais clientes.

Criar um website sozinho ou contratar um profissional?

É… É muita coisa para pensar e para aprender. Mas não precisa desesperar nem sair correndo para avaliar quanto custa a realização de um website por um profissional.

É normal e muito comum nós, solopreneurs, tratarmos, pelo menos no início da nossa jornada, de praticamente todas as tarefas inerentes ao nosso negócio – da realização do serviço às burocracias e, claro, da comunicação digital.

Realizando um website sozinho:

Se tu mesma vais criar o teu website, antes de tudo, recomendo que comeces pelo simples, pelo fácil, pelo divertido. Pesquise, sim, mas também tire um tempo para experimentar e explorar várias técnicas e plataformas. Criar um site pode ser MUITO divertido (quem escreve já vai na sua 5ª ou 6ª versão).

Quando te sentires confortável e criativo, podes começar a estruturar o teu site. Seguem dicas de boas práticas:

  • Criares uma lista de sites que você gosta e tem como referência;
  • Desenhares a estrutura global do teu site em forma de organograma (o tal do sitemap);
  • Criares o rascunho de cada página do teu site em papel;
  • Escreveres os textos do teu site;
  • Criar um moodboard no Pinterest para idealizar o estilo visual do site.

Anote tudo aquilo que vai achando divertido e o tem facilidade e repare no que tem dificuldade.

O que tem dificuldade poderá ser delegado para um profissional especializado.

Normalmente, a contratação de profissionais para o serviço será uma das seguintes opções:

  • Ou encontras uma agência de comunicação que irá apoiar-te com todas as fases do processo de criação do site (copywriting, design, desenvolvimento, direção de sessão fotográfica, campanha de marketing de lançamento, etc.);
  • Ou contratas freelancers/agências especializadas que irão apoiar-te nas fases do processo que realmente precisas delegar;
  • Na verdade, há uma terceira opção, rara, que é encontrar alguém que te oriente durante todo o processo de criação do seu site.

Seja como for, antes de contratar qualquer serviço da área, informe-se bem! Informe-se sobre todas as fases do processo.

Se está aqui, vai a meio caminho andado, pois a função deste artigo é mesmo essa. Mas não pares por aqui, investigue melhor e avalie diferentes propostas, pelo menos três. E porque não contactar clientes do portfolio do profissional e pedir testemunhos antes de decidir avançar?

Delegar a criação de um website, ou parte deste, é um grande investimento na tua carreira, por isso, avalia tudo muito bem. Eleva a tua essência empreendedora e não vá com o primeiro que te aparecer.

Isto irá ajustar as suas expectativas em relação aos serviços prestados e às responsabilidades do prestador de serviço, o que irá reduzir drasticamente os eventuais problemas de comunicação que venham a surgir durante o processo.

Ainda, antes de contratar um profissional para criação de websites, deve ter em atenção o seguinte:

  • Um Web Designer é diferente de um Web Developer. O Web Designer irá montar as peças do seu website (texto, fotos, cores, ícones, etc.), mas não necessariamente colocar o site online. A sua função é simplesmente “desenhar” todo o seu website num programa e te entregar o ficheiro. Agora, se o Web Designer também for Web Developer, ele irá não só “desenhar” o seu website, como também irá desenvolve-lo para formato Web. Sâo os chamados Unicorn Designers (conheça a minha Unicorn Designer preferida aqui).
  • Verifique quem é o responsável pela compra do alojamento e o domínio. Alguns web designers/developers oferecem a compra do 1º ano do alojamento e domínio iniciais, outros não. Eu particularmente já atuei das duas formas e hoje prefiro apenas apoiar a compra e não realizá-la.
  • E muita atenção: um Web Designer e /ou Web Developer não costuma criar os textos para o seu site! Esta não é a função deles. Eles certamente irão esperar pelos teus textos. (O que não é o caso comigo. O meu processo envolve escrita, estratégia e design. Trabalho com você todas as fases do processo).

Resumindo e concluindo

Criar uma Marca de sucesso requer estratégia e dedicação e um Website de sucesso que a reflita também.

Agora que já tens consciência sobre os pontos principais a saber antes de criares o teu primeiro site, o que estás a espera? Começa hoje mesmo.

Lembre-se que o website não é um objeto estático, mas algo que deverá sempre ser trabalhado evoluir junto com você e sua marca. Somos seres em movimento, a nossa marca move-se connosco e o nosso website também.

Dê sempre pequenos passos and keep it moving!

Se tiveres alguma dúvida ou precisares de ajuda com a criação do teu site, envia-me um email ou marca um café virtual comigo, terei todo gosto em apoiar-te!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *